30 Dias de Oração Pelo Mundo Muçulmano

30 Dias de Oração Pelo Mundo Muçulmano – Dia 15

30 Dias de Oração Pelo Mundo Muçulmano

Todo ano, milhões de muçulmanos em todo o mundo separam um mês para cumprirem um dos 5 pilares do Islamismo, um mês inteiro de jejum, conhecido como Ramadã. Nesses dias, os muçulmanos que seguem esse ritual (cerca de 93% deles) levantam-se antes do nascer do sol para se alimentar, e ficam em jejum completo até após o pôr-do-sol, com um objetivo em mente: entregarem seus corpos ao seu deus, Alá, para se aproximarem dele e terem suas preces atendidas.

Há alguns anos, muitas agências missionárias tem se engajado, durante o Ramadã, a intercederem pelos muçulmanos, para que eles venham a conhecer o Deus verdadeiro, e venham a seguir aquele que chamam de profeta Isa, conhecido por nós como Jesus Cristo. Nosso objetivo não é que eles sofram, mas que venham ter suas vidas transformadas, como cada um de nós.

Este ano, o Projeto Flechas também lança o desafio de 30 dias de oração pelo mundo muçulmano. A cada dia, postaremos um motivo diferente, e desafiamos a cada um de vocês para gastarem alguns minutos orando por tantos perdidos que seguem essa religião que cresce com uma velocidade assustadora no mundo, inclusive no Brasil. Através da oração, podemos demonstrar nosso amor e carinho por cada um deles, demonstrando, assim, o caráter e o amor de Cristo por eles.

15º Dia: Arábia Saudita

Ore pela Arábia Saudita.

Pela primeira vez na história da Classificação da Perseguição Religiosa, publicada desde 1993, a Arábia Saudita não está entre os 10 países que mais perseguem cristãos no mundo. O motivo é que outros países receberam mais pontos, puxando a classificação saudita para baixo. Apesar da baixa pontuação, a situação do cristão no país continua séria e o extremismo islâmico tem feito diversas vítimas ao longo dos anos.

A Arábia Saudita é definida pelo extremismo islâmico, advindo do wahhabismo (uma interpretação estrita da doutrina muçulmana, discidente do islamismo sunita). É proibido praticar abertamente outras religiões. O Estado controla as cidades sagradas de Meca e Medina, respectivamente locais de nascimento e da sepultura de Maomé, profeta do islamismo.

Terreno fértil para o radicalismo islâmico, o país apresenta grandes taxas de desemprego e descontentamento dos mais jovens, incluindo um abismo crescente entre ricos e pobres.  O Sistema legal da Arábia Saudita é baseado na lei islâmica (Sharia). A apostasia – conversão à outra religião – é punível com a morte se o acusado não se retratar.

Sem muito resultado, o governo saudita tenta combater o terrorismo islâmico em nível nacinal, porque reconhece o sistema como uma ameaça ao poder da família real.  No entanto, o financiamento da Arábia ao terrorismo islâmico fora do país, é uma das principais fontes do terrorismo sunita no mundo, por exemplo, no Iraque e na Síria.

Restrições ao Cristianismo
As restrições do governo sobre a liberdade religiosa, em geral, são muito elevadas na Arábia Saudita e as discrepâncias sociais às que os cristãos são submetidos são desproporcionais às outras minorias atuantes no país. Relatórios da Pew Forum apresentam a Arábia como um dos 18 países em que o diálogo para a liberdade de religião é inexistente e não há disposição nem do governo e nem dos legisladores para caminhar no sentido de liberdade de expressão, religião ou culto no país. Isso significa que sentimentos antirreligiosos estão fortemente presentes na maior parte da sociedade. E não apenas os cristãos sofrem com essa violação dos direitos religiosos e de culto, mas também os muçulmanos (xiitas em maior parte), judeus, budistas e hindus.

(Fonte: Portas Abertas)

Apesar de ter caído na classificação de perseguição, a situação da Igreja e dos cristãos continua crítica no país. A punição para praticar qualquer outra religião, incluindo o Cristianismo, pode chegar à prisão ou até mesmo pena de morte. As duas cidades principais para o Islamismo, Mecca e Medina, encontram-se na Arábia Saudita. São cidades onde não é permitida a entrada de não-muçulmanos.

É também uma nação onde há leis severas para as mulheres. Elas são proibidas de andarem em público desacompanhadas de um parente do sexo masculino, e tem que usar o niqab, que cobre todo o corpo, deixando apenas os olhos de fora, a todo o tempo. Também são proibidas de irem à faculdade, e de atividades simples, como dirigirem. Se forem pegas conversando com um homem que não seja parente, podem chegar a ser mortas por apedrejamento. Muitas sofrem estupro coletivo, mas quem é condenada pela justiça são elas, e não os homens que a estupraram.

  • Ore pela Arábia Saudita. Que esse país aprisionado pelo Islamismo possa receber a libertação que só Cristo traz. Que os sauditas possam ser libertos e possam receber paz. Que a nação se abra para o Cristianismo, e para o trabalho missionário ali.
  • Ore pelas mulheres na Arábia Saudita. Que possam ser livres de tanta perseguição e tristeza. Que essa opressão que elas sofrem sirva para que promovam uma abertura da nação à práticas estrangeiras, e o Cristianismo possa entrar de forma mais forte nessa nação, libertando-as.
  • Ore pelos missionários e pastores na Arábia Saudita. Que sejam livres de perseguição, ameaças de morte e aprisionamento. Que suas famílias possam viver com tranquilidade e possam evangelizar seus amigos, vizinhos e todas as cidades onde trabalham. Ore pela provisão deles. Que nada venha a faltar. Que tenham acesso à saúde, educação e alimentação adequadas.

Graça e paz.

Posted in Campanhas and tagged , , , , .

Deixe uma resposta